Américas

Laguna Huamantay – Cusco – Peru

Justificando um dos motivos que nos fez retornar à Cusco depois de nossa primeira viagem ao Peru, link aqui Peru – conhecer a linda Laguna Huamantay – eu e a Lu acordamos quando a noite ainda estava fechada, tudo escuro lá fora, 4 horas da madrugada, e nós tateando nossas coisas dentro do dormitório coletivo do hostel Pariwana.

Arrumamos nossa mochila para o dia, com protetor solar, folhas de coca, água, com o lanche que o pessoal do hostel gentilmente providenciou para nós, eis que ainda era muito cedo para servirem o desayuno, e aguardamos a condução na recepção.

Quando o guia chegou para nos buscar nos juntamos ao grupo já formado e seguimos de van pelas estradas, rumo às montanhas que circundam Cusco. O trajeto todo de van de Cusco até o pé da montanha durou cerca de 3 horas. Com 2 horas de viagem paramos para o café da manhã  ( já incluso no pacote do tour) e depois seguimos mais 1 hora até a montanha. Na volta, paramos no mesmo ponto que tomamos o café da manhã para almoçar. Chegamos na base da montanha por volta das 9 horas da manhã.

20181105_073625
Maíz e outros cereais
20181105_073813
Aspectos da cultura da comunidade onde fizemos nosso desayuno e almuerzo

Do ponto até onde o veículo nos deixou, munidos de cajados (eu com meus inseparáveis bastões de caminhada, companheiros desde o Caminho de Santiago), caminhamos por mais um trajeto de cerca de um quilômetro. Seguimos devagar, mas meu peito já arfava em busca de ar. Na entrada, onde inicia a trilha propriamente dita, há um posto de controle da comunidade, onde pagamos uma taxa de 10 soles.

20181105_091802
Opção de hospedagem no caminho. Deu vontade de me quedar aqui.

Nosso guia nos contou que quando ele era pequeno, a montanha tinha muito mais neve no pico que ela tem hoje. Inclusive, foi nos mostrando durante o caminho pedaços da montanha que já foram cobertos por neve e hoje não são mais. De acordo com ele, foram feitos alguns estudos climáticos na região e a previsão dos especialistas é que a montanha Salkantay tenha mais 50 anos com neve apenas. Depois deste tempo, será uma montanha normal devido ao aquecimento global.

A Laguna Humantay é uma lagoa maravilhosa nos pés da montanha Salkantay, localizada a 4.630 metros de altitude. Haja coração e pulmão!  A montanha tem 6.200 metros de altura e o caminho para a lagoa garante um visual de tirar o fôlego, cinematográfico. A água é cristalina e super gelada, já que a lagoa é “abastecida” com o degelo da montanha. O tom azulado/esverdeado – dependendo da luz que incide na água da Humantay deixa qualquer um impressionado com a sua beleza.

20181105_105135

Quando chegamos no início da trilha foi necessário uma decisão: seguir a pé ou pagar 60 soles para os moradores da comunidade local, para subir no lombo de mulas? Confesso que para mim foi uma decisão difícil. Não me agradava em nada a ideia de usar os bichinhos, explorar sua força, mas no estado em que eu me encontrava depois de tantos dias de viagem, tantos trekkings pelas montanhas de Huaraz, eu já duvidava de minhas condições físicas pra enfrentar a longa trilha íngreme, sempre ascendente, que já se avistava de onde estávamos.

20181105_094628
Hora da decisão. À pé ou no lombo da mula?

A Lu já chegou decidida a pagar pela carona em uma das mulas, ciente de que não teria condições de fazer a trilha caminhando. Cedi aos apelos do meu corpo ( creio que mais até do psicológico, já abalado pela visão da montanha a minha frente…), paguei e subi em uma das mulas. Com os olhos marejados, à contragosto.

20181105_091736
Salkantay me espreita

Quanto mais o animal avançava mais eu me conscientizava que seria muitíssimo sofrido, penoso, subir a pé. Realmente, o treeking pela trilha pedregosa e bastante inclinada é um teste físico e tanto para os viajantes. Enfim, depois de 30 minutos de subida já comecei a avistar o pico nevado da Salkantay, que vai dando as caras por trás das pedras, até que de repente… as águas cristalinas da Humantay. Foi um momento de bastante alívio e alegria! Inesquecível!

20181105_111722

Tivemos cerca de uma hora pra ficar na Laguna antes de começar a descida. Usei essa tempo pra ficar admirando aquela belezura toda, fiz minhas preces, expressei minha gratidão a Deus, ao Universo, à Pachamama, por permitirem eu ter chegado até ali, e ver aquela maravilha com meus próprios olhos. E claro, fiz muuiitaaas fotinhos, de vários ângulos, encantada com a paisagem.

20181105_110656

O guia Anderson, profissional diferenciado, chamou todo o grupo para um cantinho da Laguna, onde fez uma explanação sobre o lugar, sobre as Apus – as montanhas sagradas dos incas ( a Salkantay é uma delas) – sobre a cultura do povo peruano, dos seus ancestrais. E coroou nosso momento, nosso dia, nossa estada no Peru, tocando flauta andina, um tributo à Pachamama, a Mãe Terra. Enquanto ele tocava, se instalou um silêncio coletivo, imperando o som da flauta e a visão da Laguna e da Montanha. As palavras não dão conta de expressar meu sentimento, minha emoção naquele momento. Lágrimas de Gratidão rolaram na minha face.

20181105_115650

 

Como disse o guia Anderson: “As melhores fotos, as melhores lembranças, ficam no coração”. ♥

20181105_104306

Sobre as Apus: na mitologia Inca, apu era o nome dado aos poderosos espíritos da montanha. Os incas também usavam apu para se referir às próprias montanhas sagradas. Cada montanha tinha seu próprio espírito, com o espírito indo pelo nome de seu domínio de montanha.

Los Apus, montanhas sagradas dos Andes, são como anjos. Uma vez que se aproxime delas, não deixarão de te proteger. Assim me senti próximo à Salkantay: protegida e abençoada.

20181105_113355

Encerrado nosso tempo lá encima, começamos a descer pela trilha, por cerca de 45 minutos. A descida também não é das mais fáceis. É preciso ter cuidado para não escorregar e descer rolando até o acampamento. Isso força bastante o joelho. O caminho de terra também era um pouco escorregadio. Mas enfim, chegamos na base, e caminhamos até onde nos aguardava o transporte.

20181105_103718

Nos dirigimos então para o paradouro nas montanhas a fim de almoçarmos no mesmo lugar onde tomamos nosso desayuno. Comida típica peruana, muito gostosa. Tivemos ainda um tempo para descansar, com a visão das montanhas ao redor, muito bonito. Chegamos de volta em Cusco por volta das 19 horas. Peruas cansadas mas realizadas com o passeio.

20181105_073826

20181105_074033
Parada para alimentação e descanso nas montanhas

Eu e a Lu resolvemos preparar nosso jantar, um macarrão na cozinha coletiva do hostel e ficamos por ali mesmo, descansando. Afinal, teríamos mais um passeio no dia seguinte, para o qual também teríamos que acordar novamente no meio da madrugada.

Ficamos jogadas pelos sofás do hostel e fomos dormir cedo, absorvendo tantas sensações que só o Peru nos deu de presente. E as Apus.

Outros links de narrativas sobre essa viagem:

O retorno das peruas – Peru

Laguna Llanganuco ou Chinancocha – Huaraz – Peru

Laguna Parón – Huaraz – Peru

Chavín de Huantar – Peru

Nevado Pastoruri – Peru

Laguna 69 – Huaraz – Peru

Adiós, Huaraz! Hola, Trujillo! – Peru

As riquezas da Região Norte do Peru – Peru

Volvendo el ombligo del mundo – Cusco – Peru

 

No próximo post… Vinicunca ou Winikunka, também chamada de Montaña de Siete Colores, Montaña de Colores ou Rainbow Mountain. Independente do nome para identificá-la, já adianto: uma belezura só!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s